Wednesday, June 20, 2007

Bovino transgênico: Só produz “filé mignon”.


































Fazendas baratas, bois caros
por Carlos Sardenberg

Toda a operação para salvar Renan Calheiros revelam visão muito peculiar das elites brasileiras – ou de parte delas, vá lá. Como se trata de uma elite que nasceu e cresceu em torno do Estado, seus representantes não vêem separação entre o público e o privado. Eles se desenvolvem na política, vereadores, prefeitos, deputados, até chegar a Brasília. E quanto mais avançam na política, mais cresce sua, digamos, capacidade empresarial.

Tomem-se os negócios da família Calheiros em Alagoas. Como consegue comprar fazendas tão baratas e vender bois tão caros?

Tem sempre a intervenção de um órgão público, municipal, estadual ou federal, facilitando o negócio. E a administração pública no Estado é dominada por famílias e clãs, todas muito amigas, mesmo quando em partidos diferentes. Aliás, os partidos lá não guardam qualquer relação com a ideologia ou programas políticos. São siglas para acomodar pessoas e interesses.

O fato é que a elite de Alagoas enriquece enquanto a população vive na pobreza – e isso há tanto tempo. E quando alguém é apanhado, como Renan, é seu próprio pessoal encarregado da apuração.

Querem exemplo maior do que este?

Há dúvidas sobre os documentos apresentados pelo senador para justificar os lucros com a venda de gado. Pois quem foi despachado para Alagoas para checar os documentos? O diretor da Secretaria de Controle Interno do Senado, Shalom Granado, que deve o cargo a Renan.

E quem está providenciando os documentos? Autoridades estaduais entre as quais só há amigos e/ou correligionárias do senador.

Debates
Alguns internautas que gastam seu tempo comentando notas deste blog têm o hábito de desclassificar um argumento pelo seu autor. Ah! dizem em tom acusador, se foi fulano que falou, não vale. Ora, tal comentário não serve para nada. É preciso apontar o equívoco.


Publicado no Portal G1.
Segunda-feira, 18 de junho de 2007.


Os bois de Renan
por Carlos Sardenberg

De um leitor do blog e do site www.sardenberg.com.br, Dairo, economista, recebemos os seguintes cálculos. Passo como recebi. Façam as contas:

Dados informados pelo senador Renan Calheiros: Venda de 1.700 cabeças de gado; 3 fazendas próprias e três arrendadas; período, jan/2004 a junho/07 (42 meses). Receita líquida = lucro líquido de R$ 1.900.000,00.

Premissas para análise desses dados:

1) Custo na operação pecuária de 25% da receita bruta {compra-venda} - Mão de obra, Vacina, Sal mineral, Sementes de pastagens, óleo diesel, vermífugos, cercas etc.

2) Custo de arrendamento, pelo menos 1 arroba por animal por ano (de graça);

3) Gado 100% macho;

4) Nenhum animal morre no período {zero de perda};

5) Pastos mais férteis do Brasil, 0,9 animal/ha, ganho de 13 arrobas brutas por ano, ou 6,5 @ de carne;

6) Preço de compra e de venda médio da Cepa/USP {usado pela BM&F} dos últimos 42 meses = R$ 55,6842 a arroba;

7) compras e vendas sem intermediários, sem custos de comissão;

8) Sem considerar custos de transporte;

9) Boi gordo = 16,5 arrobas e boi magro, 10 arrobas {padrão BM&F);

Com estes dados e estas premissas podemos especular que o Exmo. Sr. Presidente do Senado pode ter realizado apenas três tipos de operações:

a) Tinha um estoque inicial de 1.700 cabeças de boi gordo em 2004, vendeu na sua totalidade a R$ 67,73 a arroba. E hoje não possui gado algum!

b) Tinha 1.700 cabeças de boi gordo em 2004. Vendeu, recomprou boi magro nos 3,5 anos seguintes, girando 100% de seu estoque. Assim, venda de 1.700 bois x 16,5@ x 55,6842 = R$ 1.561.941 por ano. Compra 1.700 bois x 10,0@ x 55,6842 = R$ 946.631 por ano. Logo, receita bruta = R$ 615.310 por ano; Receita Bruta no período: R$ 615.310 x 3,5 anos = R$ 2.153.585; Menos os custos {25%} R$ 538.396; menos arrendamento 1.700:2 x 55,6842 x 3,5= R$ 165.660. Dá uma Receita liquida {lucro} de R$ 1.449.520;

c) Realizou lucro de R$ 1.900.000,00 engordando gado nos últimos 3,5 anos. Ou seja: vendeu líquidas 34.120 arrobas. Seguindo o raciocínio do calculo anterior, 50.690 arrobas brutas. Se cada cabeça de gado ganha 6,5 arrobas por ano, significa que foram vendidas 7.798 cabeças de boi gordo no período ou 2.228 cabeças por ano, 185 por mês ou 10 caminhões de gado/mês, um a cada três dias!

Na operação "a" trata-se do melhor vendedor de gado do Brasil, pois a arroba média nos melhores mercados foi de R$ 55,68 no período. Partindo das Alagoas, zona afetada pela febre aftosa, Renan vendeu seu gado a R$ 67,73, ou 21% acima do mercado.

d) Seu gerente afirma que ainda há 1.100 cabeças no pasto??? Então, na operação B teria uma receita líquida de apenas R$ 1.449.520, portanto abaixo dos 1.900.000,00 que afirma ter conseguido!!!!!

Na operação "c" seria o maior comerciante de gado das Alagoas, girando mais de 15.000 cabeças em 3,5 anos, tornando-se conhecido no mercado. Obviamente não venderia gado para açougues ou que tais. Lidaria diretamente com produtores e grandes frigoríficos. Estamos tratando com o verdadeiro REI DO GADO!

Mas todas as hipóteses colocadas são altamente improváveis, principalmente nas Alagoas. No interior dizemos que o gado engorda aos olhos do dono. Sua Exa., que mora em Brasília, a milhares de quilômetros de suas fazendas consegue o impossível, diz que seu gerente não sabe quantas cabeças possui, que quem sabe é seu veterinário, que mora em outra cidade e é Secretario do Município onde seu filho é prefeito!!!

Como consegue tamanha eficiência?

Conclusão: A atividade pecuária no Brasil é uma coisa seria, foi-se o tempo de se usar bois para esconder ou lavar dinheiro. Hoje temos de provar que o gado foi vacinado, temos rastreabilidade, nota de produtor rural tanto na compra quanto na venda, guia de transito de animais, declaração de estoque inicial e final no Imposto de Renda, pagamento de impostos. Frigoríficos dão recibos e não pagam mais em espécie e sim em cheques ou transferência eletrônica, portanto facílimo de provar. Vamos parar de atentar contra a inteligência dos brasileiros, notadamente de toda a cadeia da pecuária de corte que inclui exportadores, frigoríficos, produtores, pesquisadoras, grandes universidades, institutos como Embrapa, grandes multinacionais que pesquisam e produzem vacinas, antibióticos, vermífugos etc. A operação Collor (Uruguai) era menos risível que esta.


Publicado no Portal G1.
Terça-feira, 19 de junho de 2007.


Carlos Alberto Sardenberg é jornalista e âncora do programa CBN Brasil. Também é comentarista econômico do Jornal das Dez (da Globonews) e do Jornal da Globo, da TV Globo, além de manter colunas nos jornais “O Estado de S.Paulo” e no “O Globo”. Mantém ainda um blog no Portal G1 e o site Sardenberg.com.br. Foi apresentador do telejornal da Gazeta Mercantil e apresentador do Roda Viva da TV Cultura. Sardenberg também é palestrante na área de política e política econômica (conjuntura, cenário nacional e internacional, perspectivas políticas e econômicas). Em 37 anos de jornalismo, trabalhou como repórter, redator e editor nos jornais O Estado de S.Paulo, Jornal do Brasil e Folha de S.Paulo. Nas mesmas funções, trabalhou ainda nas revistas Veja e IstoÉ. Já publicou três livros: "Aventura e Agonia nos Bastidores do Cruzado", "Jogo Aberto" e “O Assunto é Dinheiro”.



3 comments:

FORA COM OS PÁRIAS!! said...

NA CASA DOS PORCOS CHAFURDAM OS CÍNICOS.

Giuseppe Brandoni - 20/06/07

É lamentável o baixo nível a que chegou a nossa ex-casa maior.

Repleta de travestis de homens públicos o Senado sangra no açougue de desatinos onde as vacas malditas da corrupção são cortadas ao vivo sob o escárnio de uma população estupefata.

E o que fazem os vetustos habitués da casa? Nada. A não ser gritarem fracamente enquanto energùmenos defensores de Calheiros berram como putas histéricas querendo transformar o cinismo empedernido em novela de horrores que nunca deveria ter começado.Façanhas sexuais com emissão de notas e recibos frios são escoltados pelo cinismo. Não se investiga nada e canalhas sem expressão ganham poderes de advogados e juízes de uma farsa.

A que ponto chegamos?

Vão para casa, calhordas que mancham uma instituição que deveria ser sagrada.

Sibás, Salgados, Virgílios, até o 81, maturos, matreiros, atrevidos ou enrustidos, esses espectros de homens públicos que enxovalham e envergonham a vida pública, deveriam ser retirados logo de cena e antes que um desastre faça implodir de vez o que resta da miserável classe de políticos que envergonha o país.

Os fracos, os velhos, os de vozes débeis que se retirem igualmente do antro em se transformou o que deveria ser o exemplo maior do legislativo.

Que as putas sejam enxotadas, extirpadas e que os cambalachos de espertos seja expurgado com mão de ferro para que não vejamos propagados pelas gerações futuras uma praga de clones de cafetões, cafeteiras, que se escondem na safadeza, na omissão ou no crime, para preservarem o privilégio de assaltar a nação.

CAntonio said...

Renan Calheiros é a reencarnação do Tião Viana, melhorado e mais eficiente.

Será que Dias Gomes escreveria um novo Sinhozinho Malta?

Essa eu "colei" no meu blog.

SDS

RESERVAER said...

Carta de Carlos Haddad ao
General Torres de Melo
Enviada por: Félix Maier
Fonte: Carlos Haddad
Reservaer




Prezado General Torres de Melo,

Além de tudo isso, eu li declarações do ministro da (in)justiça, dizendo que ocorrerão outras indenizações "polêmicas", após a do Lamarca. Eu suspeito que Marighella será o próximo a ser contemplado com uma sinecura "post mortem" dessas que estão reiteradamente a perpetrar no Brasil.

Eles não tomaram conhecimento algum dos protestos dos militares, e estão "pouco se lixando" para o que o povo pensa ou sente. Menos ainda para os militares, que eles entendem que os têm sob controle e debaixo do tacão do Lulla.

Os (des)governantes pensam, ou estão certos disso, que, como diz a música dos traficantes, "está tudo dominado".

Por muitíííííííííííííííssimo menos, houve um abençoado movimento em 1964 que nos livrou do mal que nos ameaçava.

Oremos, e aguardemos que a Providência nos envie legiões que sustentem uma reação contra esse apodrecimento do Brasil.

Ou ficar a Pátria livre, ou morrer pelo Brasil !

Brasil, acima de tudo !

Eu estou às ordens, aguardando a voz de comando !

Carlos Tebecherani Haddad

***

Obs.: Eu também estou às ordens, aguardando a voz do comandante. Porém, pelo visto, não existe no momento, dentro das Forças Armadas, ninguém com a moral de um Castelo Branco, para começar um movimento cívico-social, de modo a afugentar os ratos que tomaram conta do nosso País, transformado em uma República Socialista dos Bandidos. O general Torres de Melo, do Grupo Guararapes (Fortaleza, CE), bem que poderia ser esse comandante, mesmo estando na reserva. Alguém mais se habilita ao urgente e importante cargo de salvação nacional.
Félix Maier

Share
 
Copyright © 2004-2016 Bootlead