Sunday, February 10, 2008

Quem realmente manda nas FFAA? Ela: "Stella"!
Sua "voz de comando", faz tremer generais, almirantes e brigadeiros.










































MENSAGEM ÀS FORÇAS ARMADAS
por Geraldo Almendra

Será sempre fácil obedecer a um canalha quando somos covardes ou se somos cúmplices da sua canalhice.

Em artigo anterior titulado "Mensagem ao Presidente", exerci meu direito de dizer o que penso dessa fraude como político e ser humano chamado Luís Inácio Lula da Silva, que foi eleito no maior estelionato eleitoral de nossa história, e que permanece aprofundando seu domínio da sociedade com um grotesco populismo assistencialista-corrupto-corporativista-prevaricador.

Desse senhor e de seus desgovernos, não há mais nada a dizer, pois os adjetivos mais pejorativos perderam a condição de qualificar esse sórdido filho dos ovos da serpente da prostituição da política, que transformou, impunemente, as sementes da degeneração moral e ética, espalhadas na sociedade pelos desgovernos civis anteriores, em "valores" quase definitivos nas relações públicas e privadas.

Suas trupes, as "gangs dos quarenta" e seus cúmplices, escandalizaram e ainda surpreendem, diariamente, o país, com suas falcatruas; a mais recente, mas já anunciada há tempos, é o roubo dos contribuintes através do uso imoral, desonesto e inescrupuloso, dos cartões corporativos – um dos hediondos instrumentos de suborno dos canalhas mais esclarecidos, que tem, no sistema de controle do desgoverno petista, os gastos da cúpula do poder executivo classificados como confidenciais sem suporte legal, em uma clara, imoral e criminosa obstrução ao direito da sociedade de tomar conhecimento do que está sendo feito com o dinheiro dos contribuintes.

A freqüência e a quantidade de escândalos de grotesca corrupção, evidenciados ao longo dos desgovernos petistas, e a falta de reação relevante da sociedade esclarecida, estabeleceu, no nosso país, a vitória da impunidade da corrupção, da prevaricação, e do relativismo da justiça dos Tribunais Superiores, que ajudam a consolidar a imagem do Poder Judiciário como o mais corrupto e corporativista dos podres poderes da República.

Diante da falência moral dos poderes instituídos e da cumplicidade explícita da sociedade esclarecida corrupta, que se beneficia com a degradação das relações públicas e privadas, somente uma dura intervenção civil-militar poderia trazer para o país novos caminhos para a construção de uma sociedade justa e digna.

O presidente da República, sempre afirmando nada saber, que nada vê, e que nada escuta, já perdeu a legitimidade do comando das Forças Armadas, papel constitucional que tem uma premissa que não poderia ser agredida, que é a premissa da moralidade, da honestidade e da ética no exercício do seu mandato; este senhor já está desqualificado para qualquer cargo público, seja por culpabilidade direta, ou por criminosa omissão diante do que está acontecendo dentro do seu desgoverno.

Se não fosse a falência da Justiça em nosso país, a omissão dos Tribunais Superiores, o corporativismo público-civil, e a transformação do Congresso em uma casa de tolerância da política prostituída, a postura do presidente já o teria desqualificado até como cidadão com direito à liberdade civil, quanto mais como presidente da República e comandante supremo das Forças Armadas.

O ex-presidente Collor foi deposto, de forma merecida, por prevaricações rigorosamente "irrelevantes", se comparadas ao que já foi denunciado e evidenciado nos desgovernos do PT, mas salvo, também, de punições mais duras, graças ao corporativismo criminoso que tomou conta das instituições públicas após um regime militar, que tinha seus defeitos, mas elevou o país à classe das maiores economias do mundo e o transformou em uma potência econômica, mais tarde meticulosamente destruída pelas canalhices dos desgovernos civis.

Nos desgovernos petistas o poder público acabou perdendo sua razão de ser, se transformando, de forma definitiva, em um covil de malfeitores com a cumplicidade das elites dirigentes e seus protegidos, que ficam mais milionários a cada dia que passa.

Enquanto isso o absurdo de impostos que pagamos não nos garante mais saúde, educação, segurança e saneamento. Não recebemos do poder público nada mais que justifique a extorsão que nos é imposta, obrigando o pagamento de tributos que correspondem a mais de cinco meses de trabalho dos contribuintes todos os anos.

Quando defendemos uma intervenção civil-militar não estamos pedindo para que o país seja conduzido nos moldes de uma ditadura genocida.O que estamos defendendo é que a sociedade sofra um duro choque moral e ético de cima para baixo, com a ajuda do poder militar; somente isso poderá salvar nosso país de ser engolido pelo regime socialista populista e corrupto.

Estamos falando do poder de intervenção das forças armadas legalistas, que junto com civis descomprometidos com as canalhices que imperam no país, tenham o compromisso de defender nossa pátria da canalha comunista que está tomando conta das instituições públicas e subvertendo, de forma grotesca, os valores éticos e morais que devem nortear as atitudes do poder público.

Nossa sociedade, por suas raízes históricas e sua premeditada falência cultural e educacional, precisa ser reconduzida a uma nova construção, que não pode prescindir mais de uma dura intervenção civil-militar; estamos no caminho do apodrecimento acelerado dos mais básicos valores que conduzem uma sociedade na direção do progresso econômico e social, para tornar-se desenvolvida em todos os sentidos.

A impunidade da imoralidade e da falta de ética dentro do poder público está nos deixando órfãos da democracia e da liberdade, diante da inevitabilidade do declínio da sociedade brasileira na direção de um regime político e de um poder público sórdidos nas próximas décadas, com o aval dos esclarecidos e bem formados, que estão sendo subornados e corrompidos no jogo do poder político prostituído.

A falta de atitude das Forças Armadas, que apenas defendem aumentos de salários, nos transmite a perspectiva que somente uma guerra civil sanguinária poderá livrar nosso país dos canalhas da corrupção e da prostituição da política, que fazem, sistematicamente e impunemente, os contribuintes de palhaços e imbecis do circo do Retirante Pinóquio.

Quando os pobres perceberem que não passam de imbecis e idiotas manipulados pelo mais canalha dos canalhas da prostituição da política e seus cúmplices, patifes que fazem absurdos e imorais gastos com os cartões corporativos enquanto subornam os ignorantes com os cartões da bolsa-preservação-da-pobreza, iremos todos presenciar a revolução de baixo para cima. Quando os "morros" descerem para os asfaltos...

Já existe uma formação de opinião comum no nosso país que a honestidade, a moralidade e a ética já são encarados como os vírus de uma doença, que impede os cidadãos de crescerem na pirâmide social quando confrontados com o poder dos canalhas da corrupção e do corporativismo. Portanto, vamos todos sermos canalhas...

Somente continuaremos sendo governados por políticos inescrupulosos e corruptos, se aceitarmos sermos qualificados de ignorantes, covardes ou cúmplices dos mesmos crimes que esses canalhas vêm cometendo.

"Os silêncios" dos últimos defensores – as Forças Armadas – de nossa pátria, das mãos dos canalhas da corrupção e da prevaricação, os colocam no mesmo nível desses patifes que estão roubando nossas esperanças de que nossos filhos e suas famílias possam, um dia, viver num país que não tenha a corrupção, a imoralidade e a falta de ética como os melhores instrumentos para o crescimento na pirâmide social.

Nesse triste momento de nossa história, está sendo registrado que nossas Forças Armadas estão sendo coniventes, por cumplicidade ou patética omissão, com a entrega do nosso país nas mãos de uma das piores mutações do socialismo populista e corrupto, comandado por uma fraude política e traidor de nossa pátria, fundador e dirigente durante mais de uma década da representação das FARC no país.

As sinecuras, a transformação de militares da ativa em pessoas jurídicas para receberem remunerações adicionais, o suborno corporativista, e as promessas de aumentos de salário, podem estar sendo, para os comandantes militares, mais fortes do que o amor à pátria, à democracia e à liberdade, que são cantados em versos nas suas marchas, mas esquecidos na hipocrisia de suas relações com o poder público.

Esses senhores estão manchando a biografia militar do país e fazendo por onde merecerem todas as humilhações que as Forças Armadas vêm sendo submetidas pelos canalhas da corrupção e da prevaricação, desde que entregaram o poder aos civis.

Neste momento cabe aos verdadeiros militares conspirarem a favor da libertação do país da tirania dos canalhas civis e militares ou, alternativamente, à semelhança das elites dirigentes, se juntarem aos marginais que tomaram conta do poder público, aceitando serem cúmplices da transformação do país em um Estado Comunista de Direito.

Agora uma pergunta aos comandantes militares dignos de vestirem suas fardas.Como os senhores, diante da falência da Justiça para punir os canalhas da corrupção, da prevaricação, e do corporativismo sórdido dentro dos podres poderes da República, podem continuar em estado de covarde omissão diante da seguinte notícia:

"Por ordem do presidente Lula, o Portal da Transparência do governo escondeu os titulares de cartões corporativos responsáveis pelos gastos com mordomia, instalações pessoais e assistência a seus filhos. Entre os titulares de cartões cujos nomes viraram "segurança de Estado" estão o tenente-coronel Rui Chagas Mesquita, chefe da Ajudância de Ordens de Lula, e Maria Emilia Évora, ecônoma ligada à primeira-dama, d. Marisa."

Será que algum militar honesto e comprometido com a dignidade da farda de sua força, com nossa pátria, e com a honra de sua função constitucional, poderia me responder por que não se juntam a civis decentes e destituem essa fraude política e humana do poder junto com toda a canalha que lhe é cúmplice? Será por medo da milícia urbana ou sem-terra do petismo?

E não me venham com essa leviandade de que é necessário a sociedade sair às ruas pedindo sua intervenção. Que sociedade? A dos milhões de ignorantes subornados com os cartões-preservação-da-pobreza? A dos banqueiros e seus investidores podres de ricos com a exploração dos contribuintes? A dos vagabundos que vivem do assistencialismo público? A dos artistas hipócritas, comunistas nas idéias, mas capitalistas no seu patrimonialismo e cúmplices da entrega do país ao socialismo corrupto e espúrio? A da imprensa maioria chapa-branca? A da academia que vive das mordomias do poder público? Ou das elites dirigentes públicas subornadas com sinecuras e cartões corporativos? A da classe média covarde que está aceitando a fronteira da pobreza ou se associando aos canalhas da corrupção e da prevaricação para sobreviverem? A dos sem-terra e sem-nada que invadem as propriedades privadas destruindo o patrimônio daqueles que trabalham e não vivem do roubo do dinheiro público?

Que sociedade é essa que precisa sair às ruas para trazer à tona a dignidade, a honra e o patriotismo dos que vestem as fardas das Forças Armadas?

Ou será que o suborno material, corporativista, aético e imoral das consciências dos esclarecidos foi coletivo?

Por que os militares não se reúnem e mandam uma mensagem clara para os podres poderes da República que se não pararem imediatamente com essa grotesca e pública sacanagem com o dinheiro do povo, Brasília estará sitiada para uma dura intervenção civil-militar?

QUE VERGONHA! QUANTA OMISSÃO E IMPOTÊNCIA DIANTE DOS CANALHAS DA CORRUPÇÃO E DA PREVARICAÇÃO!

Senhores militares e seus comandantes. O PT assumiu o poder graças ao seu discurso ético prometendo acabar com a picaretagem no poder público.

O PT não mudou nada nas relações públicas e privadas. Melhor dizendo, este partido é que mudou, tirando a carapuça que escondia suas verdadeiras intenções de executar um projeto de poder perpétuo-corrupto-prevaricador com a cumplicidade dos picaretas que tanto atacou.

"Os lugares mais quentes do INFERNO estão reservados para aqueles que EM TEMPOS DE CRISE MORAL optam por ficar na NEUTRALIDADE." (Dante Aligheri).


Geraldo Almendra é economista, consultor e professor de matemática.








Publicado no site "Brasil acima de tudo".
Sábado, 09 de fevereiro de 2008.






Luiz Inácio "Fausto" da Silva, é o resultado de um pacto com "Mefistófeles"! – Fenix

Quando a vaca vai pro brejo? - Bootlead

1 comment:

ALBERTO FIGUEIREDO said...

Que forças armadas?
No Brasil ainda tem isso?
Ou penas uma tulha de macaco com o ombro coberto de estrelinhas se dizendo generais e servindo de capacho para lula e sua corja.
Que povo as FFAA quer que vá ás ruas?
A nação sempre pagou seus militares se não da maneira correta e merecida pelo menos o que possibilitasse formá-los de maneira a terem um entendimento diferenciado, verem melhor o caminhar da nação e seus líderes para assim poderem visualizar algo errado, o povo não.
Para isso são pagos e bem pagos (eram) hoje recebem até mais que devem já que a sua obrigação primeira não esta sendo cumprida.
Ou estão com medinho da dilma?
Assim é melhor fechar os quartéis e mandar todo mundo procurar emprego nas FARC
O que ontem orgulhava, hoje enoja.
Continuem debaixo dos catres dos quartéis, deixem seu país e seu povo ser consumido pelo que quando havia homens de vergonha nas FFAA lutaram para evitar e que os de hoje abrem caminho. A destruição de seu país.
Mais de uma coisa eles podem estar certos, os que se mantêm silenciosos e omissos terão suas pagas. Em breve sentirão o peso da humilhação e do revanchismo, ou acham que dilma e cia. deixaram passar em branco os que um dia a classificaram de ladra?

Share
 
Copyright © 2004-2016 Bootlead