Wednesday, May 14, 2008

Quem realmente é esse "Hussein"?










































Obama ainda precisa mostrar quem é
por William Waack

Mauren Dowd, talvez a mais ferina língua do colunismo político americano, inventou um jeito de Barack Obama punir Hillary Clinton por tudo o que ela disse dele na briga interna dos democratas. É só nomeá-la vice-presidente, sugeriu Dowd, no "New York Times".

Do jeito que ela é, continua a colunista, Hillary teria convulsões estomacais todo dia que acordasse pensando que é Obama, e não ela, o chefe de Estado americano. E se consolaria lembrando que 14 vice-presidentes americanos acabaram assumindo o posto.

Mas a brincadeira para a própria Dowd parou aí. Ela lembra que Obama não é o mesmo perto de Hillary – a agressividade, a tenacidade e a figura da oponente parecem paralisar um político, Obama, que demonstrou ser um excepcional encantador de públicos. Talvez tenha sido esse o principal "serviço" prestado por Hillary, ainda que involuntariamente, durante a campanha política.

Pois está claro agora que Obama tem de correr e dizer quem é – ainda que a gente possa se perguntar: nessa altura do campeonato, Obama precisa ainda dizer quem é? Precisa. A eleição nacional é completamente diferente da disputa entre os democratas, nas quais, por sinal, Hillary pareceu muito forte em relação a Obama justamente naqueles estados populosos que fazem a diferença entre republicanos e democratas na conta do voto nacional.

Hillary deixou bem evidente para a máquina de campanha eleitoral republicana os pontos nos quais Obama surge como figura vulnerável: ele precisa, por exemplo, começar a usar a bandeirinha americana espetada na lapela do paletó. Pode parecer ridículo ao público brasileiro, mas, para o americano, demonstrar patriotismo a cada segundo é fundamental para qualquer candidato.

Mais além das pesquisas de intenção de voto, os pesquisadores de comportamento eleitoral americano descobriram recentemente que 45% dos eleitores se identificam com os "valores de Obama" (assim mesmo, bem vago), mas 54% do eleitorado enxerga melhor os "valores de McCain"). Os republicanos têm condições, a partir da leitura desses resultados, de tentar uma campanha baseada em "valores", deixando de lado a situação da economia do país, que lhes é francamente desfavorável em termos políticos.

Vários comentaristas americanos vêm batendo nos últimos dias na mesma tecla: mesmo no recente caso das declarações sobre raça feitas pelo reverendo Jeremyah Wright, que Obama se apressou em repudiar, ficou um ar de dúvida se apenas a frase "entendo a situação dos negros americanos, assim como entendo a situação dos brancos americanos" é suficiente.

Quando os republicanos falam de "valores", ao que eles se referem, além de elementos claramente éticos e morais como casamento de pessoas do mesmo sexo ou aborto? A máquina eleitoral republicana fala principalmente de coisas como apego ao trabalho (em vez de programas de assistência patrocinados pelo estado), simpatia pelas vítimas de crime (em vez de "compreensão" pela situação social que levou alguém a ser um criminoso), proteção das fronteiras (em vez de tolerar a entrada de imigrantes ilegais).

Parte ou não apenas de um mito americano, há algo mais que o eleitorado nos Estados Unidos valoriza muito, e isso se chamaria aqui do apelo exercido pelas Forças Armadas e a projeção do poder americano (definido como imperial, decadente, ou o que o leitor quiser). O fato é que uma boa parte do eleitorado que tanto McCain quanto Obama querem conquistar considera essencial que um presidente não só fale duro, mas prometa agir duro em termos de política externa.

No fundo, o problema de Obama é não permitir que ele seja colocado, pelos republicanos, do lado errado daquilo que os comentaristas americanos chamam de "cultural devide" – a tênue linha a partir da qual o eleitorado que ele precisa conquistar (para vencer as eleições) o consideraria não confiável.

A vitória não está garantida para Obama. E muitos dos que se entusiasmaram com ele aqui no Brasil provavelmente ficarão decepcionados com o que ele, acredito, começará a dizer agora.


William Waack nasceu em São Paulo, SP em 30/08/1952 é jornalista, formado pela USP. Cursou também Ciências Políticas, Sociologia e Comunicação na Universidade de Mainz, na Alemanha, e fez mestrado em Relações Internacionais. Tem quatro livros publicados e já venceu duas vezes o Prêmio Esso de Jornalismo, pela cobertura da Guerra do Golfo de 1991 e por ter revelado informações sobre a Intentona Comunista de 1935, até então mantidas sob sigilo nos arquivos da antiga KGB em Moscou. Waack trabalhou em algumas das principais redações do Brasil, como o Jornal do Brasil, O Estado de S. Paulo e a revista Veja. Foi editor de Economia, Internacional e Política. Durante 20 anos, William Waack foi correspondente internacional na Alemanha, no Reino Unido, na Rússia e no Oriente Médio. Desde 1996, trabalha para a TV Globo e voltou ao Brasil em 2000. Apresenta, desde maio de 2005, o Jornal da Globo e em 2006, passou a assinar uma coluna na editoria Mundo do portal de notícias G1.



Publicado no Portal G1.
Segunda-feira, 12 de maio de 2008, 20h08.





PSICOPOLÍTICA E "CURA MENTAL" – Maria Lucia Victor Barbosa

No comments:

Share
 
Copyright © 2004-2016 Bootlead