Friday, November 16, 2007

Cala a boca "macaco"!



Click na seta ou no botão play (4) para ativar o vídeo.


Rei espanhol calou a boca de Chávez
por William Waack

Quem acompanhou a passagem da ditadura de Francisco Franco na Espanha para um regime democrático que serve de exemplo para todos nós, latinos, lembra-se com que desconfiança se olhava, em 1975, para a figura do então jovem Rei Juan Carlos. Dizia-se que tinha sido uma grande esperteza do velho ditador (que só não teve a desfaçatez de coroar-se monarca) a escolha daquele Bourbon inexperiente.

Juan Carlos vale hoje para a crônica política e histórica espanhola como um dos grandes (e decisivos) personagens da “solução espanhola”. Em que consistia? Nas suas linhas mais gerais, numa transição lenta e gradativa de um regime ditatorial, clerical e provinciano para uma democracia parlamentar representativa, tolerante e aberta. Não foi à toa que um jornalista espanhol perguntou ao então ditador brasileiro, General Ernesto Geisel, durante uma entrevista coletiva na Alemanha, em 1977, se ele pensava numa “solução espanhola” para o Brasil. “Sim”, respondeu Geisel.

Santiago Carrillo, o velho comunista, Felipe González, o jovem socialista, e várias gerações de políticos conservadores espanhóis respeitavam o rei como os trabalhistas e “tories” britânicos respeitam a Rainha, ou os social-democratas suecos a monarquia em Estocolmo -e assim por diante. Tido como um “bon vivant” famoso por suas tiradas (digamos, machistas) em conversas em “off”, jovial e bem humorado, Juan Carlos acabou virando um desses símbolos vivos de transição de um passado escuro para um futuro de prosperidade -tudo isso, no espaço de apenas uma geração.

E os espanhóis -que passaram dos conservadores para os socialistas, dos socialistas para os conservadores e, desde 2004, de novo para os socialistas- continuam dando um magnífico exemplo de que luta política não significa a destruição do adversário (o que não é pouca coisa, considerando-se a presença, na memória coletiva, de uma Guerra Civil que deixou centenas de milhares de mortos entre 1936 e 1939).

A Espanha de várias épocas parece possuir esse dom de nos proporcionar frases fortes e contundentes. Lembram-se do “no creo en brujas, pero que las hay, las hay” (Cervantes)?. Ou do “vencereis porque tenéis sobrada fuerza bruta, pero no convenceréis” (Unamuno)?. O Rei Juan Carlos soltou uma na cara de Hugo Chávez que provavelmente será repetida por bom tempo onde se fala espanhol: “porque no te callas?” (porque você não cala a boca?).

Juan Carlos tem todos os argumentos morais para mandar Chávez calar a boca. Afinal, ele soube ajudar a conduzir um país da repressão para um regime aberto, enquanto Chávez faz exatamente o contrário. O rei e seu primeiro-ministro souberam mostrar a um falastrão que não levam ofensas para casa. Foi de uma extraordinária dignidade política o que fez o primeiro-ministro socialista José Luiz Zapatero, defendendo de ataques verbais de Chávez seu antecessor (e ferrenho adversário político), o conservador José Maria Aznar.

Cabe lembrar aqui, aliás, o que o mesmo socialista Zapatero disse ao presidente boliviano, Evo Morales, quando o governo boliviano tomou à força instalações de empresas petrolíferas espanholas (além da Petrobrás). Naquela ocasião, o dirigente espanhol lembrou ao boliviano, em tom que não deixava margem a dúvidas, que contratos existem para serem respeitados. A Espanha não engoliu o que Evo Morales fez.

Nosso espaço político (no seu sentido mais amplo) é muito marcado pelo caudilhismo, populismo, personalismo e pela (muitas vezes apenas pretendida) virilidade de seus líderes políticos. São, digamos, “tradição” da política latino-americana, assim como o paternalismo, o assistencialismo e a melancolia que às vezes nos faz pensar que não temos jeito mesmo. Por isso foi tão retumbante o que fez Juan Carlos diante de Chávez -e está repercutindo intensamente na enorme esfera hispânica.

Ele mostrou ao bufão quem tem, em bom espanhol, cojones. Viva o Rei.


William Waack nasceu em São Paulo, SP em 30/08/1952 é jornalista, formado pela USP. Cursou também Ciências Políticas, Sociologia e Comunicação na Universidade de Mainz, na Alemanha, e fez mestrado em Relações Internacionais. Tem quatro livros publicados e já venceu duas vezes o Prêmio Esso de Jornalismo, pela cobertura da Guerra do Golfo de 1991 e por ter revelado informações sobre a Intentona Comunista de 1935, até então mantidas sob sigilo nos arquivos da antiga KGB em Moscou. Waack trabalhou em algumas das principais redações do Brasil, como o Jornal do Brasil, O Estado de S. Paulo e a revista Veja. Foi editor de Economia, Internacional e Política. Durante 20 anos, William Waack foi correspondente internacional na Alemanha, no Reino Unido, na Rússia e no Oriente Médio. Desde 1996, trabalha para a TV Globo e voltou ao Brasil em 2000. Apresenta, desde maio de 2005, o Jornal da Globo e em 2006, passou a assinar uma coluna na editoria Mundo do portal de notícias G1.



Publicado no Portal G1.
Segunda-feira, 12 de novembro de 2007, 14h45.






No comments:

Share
 
Copyright © 2004-2016 Bootlead