Thursday, July 24, 2008

O ANTICRISTO PREPARA-SE PARA O GOVERNO MUNDIAL


































O Lula americano
por Olavo de Carvalho

Além de ouvir o hino americano com as mãos sobre a bolsa escrotal e não sobre o coração, Barack Hussein Obama adulterou o emblema das armas nacionais para fazer dele um logotipo de sua propaganda eleitoral, declarou que a bandeira americana "é um símbolo de violência" e, para completar, tirou as cores do país do leme do seu avião de campanha, substituindo-as pelo "O" que representa... ele próprio.

Mais que simples desprezo, essas atitudes denotam um esforço consciente de destruição dos símbolos nacionais. Esse esforço, por sua vez, não precisa de interpretação simbólica: seu sentido é auto-evidente. Ele dá expressão eleitoral à guerra cultural travada contra os EUA, de dentro e de fora do país, desde os anos 60: trata-se de erigir, sobre os escombros do patriotismo e da soberania, um novo sistema de lealdades, baseado na aliança de todos os ódios anti-americanos, anti-ocidentais e anticristãos com os interesses bilionários empenhados na implantação do governo mundial. O sinal mais claro dessa aliança são as fontes de apoio financeiro do candidato: de um lado, grupos radicais e pró-terroristas, de outro as megafortunas globalistas e a grande mídia em peso. Daí o vigor da sua campanha, que tem quatro vezes mais dinheiro que a do oponente e – sem exagero – vinte ou trinta vezes mais cobertura jornalística.

Com esse respaldo, ele se permite desafiar não só todas as conveniências, mas passar por cima das exigências legais mais elementares: depois de sonegar durante meses sua certidão de nascimento, apresentou uma certidão manifestamente falsa (Click AQUI para ver em inglês). O documento original, que continua sumido, é necessário para tirar a limpo uma questão essencial: Obama é cidadão americano ou é um estrangeiro, inelegível portanto? A ocultação e a fraude subseqüente falam em favor da última hipótese, mas o entusiasmo inalterado dos obamistas, contrastando com o seu absoluto desinteresse em esclarecer essa questão, mostra que preferem antes demolir de um só golpe o sistema eleitoral americano do que permitir que os republicanos continuem no poder: o novo sistema de lealdades já está em vigor, sobrepondo à integridade nacional as ambições partidárias da esquerda.

Com a mesma insolência autoconfiante, os planos de governo de Obama contrariam flagrantemente a vontade da maioria, sem precisar temer que isso tire um voto sequer do candidato. A nação quer baixar o preço da gasolina; Obama promete aumentá-lo, mantendo o veto à abertura de novos poços de petróleo. A América quer ver os imigrantes ilegais pelas costas; Obama promete não somente anistiá-los, mas dar-lhes assistência médica com o dinheiro dos contribuintes. A nação quer menos impostos; Obama promete criar mais alguns. Se milhões de cidadãos americanos que pensam e querem o contrário de Obama juram votar nele para presidente, não é por causa do que ele promete, mas a despeito de ele lhes prometer até mesmo o inferno. A atração da imagem hipnótica é mais forte do que o cálculo de custo-benefício.

A campanha de Obama é uma obra de engenharia psicológica de precisão, planejada não para conquistar os eleitores pela persuasão racional, mas para debilitá-los, chocá-los e estupidificá-los ao ponto de fazê-los aceitar todo prejuízo, toda humilhação, toda derrota, só para não contrariar a suposta obrigação moral de elegê-lo, pouco importando que ele seja mesmo um inimigo disfarçado. Sacrificar tudo ante um fetiche, e fazê-lo até certo ponto conscientemente, compartilhando portanto as culpas da operação e incapacitando-se previamente para lutar contra ela depois de realizada, eis o que Obama está exigindo – e obtendo – dos eleitores.

Já vimos essa operação ser realizada no Brasil, com base na imagem estereotipada do "presidente operário", contra cujos crimes e perfídias já ninguém pode levantar uma voz audível, pois, arrastados pela chantagem psicológica, todos se acumpliciaram de algum modo ao ritual de sacrifício ante o altar do ídolo.



Olavo Luís Pimentel de Carvalho nasceu em Campinas, SP em 29/04/1947 é escritor, jornalista, palestrante, filósofo, livre pensador e intelectual, tem sido saudado pela crítica como um dos mais originais e audaciosos pensadores brasileiros, publica regularmente seus artigos no jornal "Diário do Comércio" e no site "Mídia Sem Máscara", além de inúmeros outros veículos do Brasil e do exterior. Já escreveu vários livros e ensaios, sendo que o mais discutido é "O Imbecil Coletivo: Atualidades Inculturais Brasileiras" de 1996, que granjeou para o autor um bom número de desafetos nos meios intelectuais brasileiro, mas também uma multidão de leitores devotos, que esgotaram em três semanas a primeira edição da obra, e em quatro dias a segunda. Atualmente reside em Richmond-Virginia, EUA onde mantém um site em português e inglês, sobre sua vida, obras e idéias.
E-mail: olavo@olavodecarvalho.org


Publicado no "Jornal do Brasil".
Quinta-feira,24 de julho de 2008.




O GOVERNO MUNDIAL: Segundo estudiosos das Escrituras Sagrada, o Anticristo surgirá em meio às crises mundiais existentes, de forma que sua aparição surpreenderá o mundo. Seu governo se tornará, em um curto espaço de tempo, num forte governo mundial, unificando com sucesso todos os blocos de relações econômicas e políticas existentes no momento. Com a finalidade de trazer a paz, será reconhecido e aceito, e combaterá as crises mundiais implantando um largo sistema de integração financeira: o sistema 666 de compra e venda. Será neste momento que ele descumprirá o seu trato e se voltará para Jerusalém, no lugar do antigo templo, para lá por o seu trono e exigir ser adorado como Deus. (Apocalipse 13:16–18)


O EXÉRCITO, A LEI E A ORDEM – Oliveiros S. Ferreira





4 comments:

Anonymous said...

Aparentemente estamos num caminho sem volta. Não bastasse a falência moral do executivo e do legislativo, a anulação das forças armadas, vemos agora o golpe fatal no judiciário, que já vinha capengando longe dos olhos do povo.

Pelo visto, as novas regras são essas que estão aí , por nós criticadas e impostas pelo comuno-petistas, com a cumplicidade da sociedade. Temos que esquecer tudo o que nos foi ensinado sobre moral e ética, sobre honestidade e retidão e fazer um esforço, dando um giro de 180 graus, para se adaptar aos novos tempos.

Reparem que não há mais vergonha nenhuma em ser preso , ao contrário, com isso dá-se mais uma nova oportunidade para os advogados terem os 5 minutos de fama, com suas longas ponderações sobre o certo e o errado e sobre as tecnicidades ou outra embromação qualquer.

O país, que algum dia ousou desejar ser civilizado e, diga-se de passagem por algumas décadas trilhou esse caminho, cedeu ao atalho dos ignorantes , do sindicalismo mau caráter,e mergulhou no escuro abismo dos fora da lei.

Em menos de uma década os petistas jogaram os bons costumes, que nunca conheceram, no obsoletismo e na decrepitude.

Novos tempos, adaptar-se ou morrer?

FENIX (Grupo Guararapes)

Anonymous said...

PRESTEM ATENÇÃO AO G20


LULA É O ANTICRISTO!

Anonymous said...

É só um negro ou um pobre atingir o poder que até anticristo vira, a raça branca sente seus dias de domínio serem ameaçados pelo fantasma da miscigenação mundial. Os velhos senhores da raça humana perdida em sua falta de fé e sozinha em um mundo moderno e cheio de transformações cria mais uma toria da conspiração para dissimular o seu desespero.

Anonymous said...

Acredito que Lula voltará antes que o governo atual acabe seu mandato. Dilma está a preparar todo o palco para o golpe do ditador, e esta será uma mártir do partido mundial.
Tudo já está engatilhado, basta apenas chegar a hora certa.

Share
 
Copyright © 2004-2016 Bootlead